O hipotiroidismo e excesso de peso: qual é a relação?

Cerca de um milhão de portugueses sofrem de distúrbios da tiroide, no entanto, ainda existe desconhecimento e desinformação sobre o impacto dos distúrbios da tiroide no controlo do peso corporal. O que fazer quando o exercício físico e a alimentação saudável não são suficientes? Leia o artigo de opinião de Maria João Oliveira – endocrinologista e Membro do Conselho Consultivo/Científico da Associação das Doenças da Tiroide (ADTI) – e fique a conhecer a resposta a esta e muitas outras questões.

Conhecida pelo seu formato de borboleta, a tiroide desempenha um papel crucial no nosso organismo. Esta glândula endócrina tem como função a produção, armazenamento e libertação das hormonas T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) no sangue.

Se a produção de hormonas se tornar insuficiente, a concentração de T4 e T3 reduz-se no sangue, a concentração da hormona hipofisária estimuladora da tiroide – TSH – eleva-se no sangue, menos hormonas tiroideias entram nas células e  o metabolismo celular desacelera. É como se todo o organismo funcionasse mais devagar – hipotiroidismo – um dos distúrbios mais frequentes  da tiróide- sendo que tem uma maior incidência junto das mulheres do que nos homens.

O hipotiroidismo é uma patologia insidiosa que se manifesta lentamente e os seus sinais e sintomas podem ser inespecíficos. Os que estão mais vezes presentes são:  cansaço, maior sensibilidade ao frio, queda de cabelo, pele seca, aumento de peso, edemas, fraqueza muscular, depressão, obstipação, irregularidades menstruais. Esta clínica nem sempre é valorizada quer pelo doente, quer pelo médico, e o seu diagnóstico é muitas vezes tardio. Também é comum a nossa rotina ser rotulada como culpada, visto que a fadiga constante, humor mais desamimado e a obstipação são sintomas que fazem parte do dia-a-dia de quem tem uma vida agitada e muito stressante.

Nas pessoas com hipotiroidismo clínico (em que há já uma diminuição das hormonas da tiroide no sangue para além da elevação da TSH) é normal existir um aumento de peso ou uma maior dificuldade em manter um peso normal para a faixa etária e altura. No entanto, isto não significa quem seja diagnosticado com esta doença irá se tornar obeso ou terá sempre excesso de peso.

Devido ao hipotiroidismo, o metabolismo celular desacelera, ou seja, o gasto de energia nas funções vitais do organismo, no funcionamento dos seus órgãos, é menor. As pessoas com hipotiroidismo sentem-se mais vezes cansadas pelo que o seu gasto energético na atividade física é também menor. Logo, a quantidade de calorias gastas por dia reduz-se. Para além disso há tendência a uma maior retenção de fluidos nos tecidos (água) dando origem ao edema, que também contribui para a elevação do peso.

Para além da gestão correta da doença através do acompanhamento médico é muito importante a toma da medicação – a levotiroxina é a hormona T4 sintetizada no laboratório. No organismo ela é transformada em T3 que é a hormona responsável pela utilização de energia pelo organismo. Desta forma é restabelecido o normal metabolismo celular. É igualmente relevante manter uma alimentação equilibrada e saudável, eliminando alimentos muito calóricos e salgados para acelerar o gasto energético e  diminuir a retenção de líquidos. Deve ainda adotar um estilo de vida saudável com a prática regular de exercício físico, evitando ao máximo um comportamento sedentário, mesmo estando em casa.

Com os níveis hormonais controlados, adoção de uma alimentação saudável aliado ao exercício físico, poderá aumentar a sua qualidade de vida e reduzir outros sintomas do hipotiroidismo, para além da questão do peso corporal.


MORADA:

Rua Hermínia Silva nº 8 LJ A, Jardim da Amoreira
2620-535 Ramada

geral@raiox.pt