Ordem dos Psicólogos Portugueses ajuda a lidar com body shaming

Existe uma imagem perfeita do corpo? É aceitável alguém ser criticado pela sua aparência? Como reagir perante comentários depreciativos sobre o seu aspeto físico? Estão as redes sociais a contribuir para um aumento do body shaming? A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) desenvolveu um fact sheet sobre body shaming, que ajuda a perceber e a combater o fenómeno.

No verão, as questões relacionadas com o corpo ganham imediatamente mais destaque e o body shaming pode ser ainda mais evidente. Este tipo de agressão verbal envolve criticar ou humilhar alguém através de comentários negativos e depreciativos sobre o corpo. Para mostrar a importância de combater este tipo de comportamento e de reforçar a autoestima, a OPP disponibilizou um documento no seu website, que pretende ser uma ajuda para quem está a passar por essa situação.

“Vemos constantemente ‘corpos perfeitos’ e bem vestidos na televisão, nas revistas ou nas redes sociais. De várias formas, recebemos a mensagem de que nos devemos esforçar por ter o ‘corpo perfeito’ e encontrar formas de esconder os nossos ‘defeitos'”, começa por explicar o documento da OPP, na sua introdução. “Sentir vergonha do nosso corpo tornou-se cada vez mais frequente e, muitas vezes, a preocupação com a aparência física ultrapassa a preocupação com a saúde (física e psicológica)”, pode ler-se.

Body shaming contra os outros e contra nós

Com base nessa realidade da nossa sociedade, o documento explica que o body shaming envolve humilhar alguém através de comentários depreciativos sobre a aparência física, presencialmente ou online. Este tipo de insultos afeta homens e mulheres de todas as idades e formas corporais e pode ser infligido aos outros ou até a nós próprios.

O documento exemplifica alguns comentários que podem ser dirigidos a outras pessoas (como “devias ir ao ginásio” ou “não tens corpo para usar isso”), mas apresenta também frases que podemos repetir para nós próprios (como “sou o mais feio dos meus amigos” ou “esta barriga é nojenta!”).

Como nos pode fazer sentir

Qualquer uma destas observações pode ter um impacto muito depreciativo uma vez que faz com que quem oiça se sinta envergonhado, inferiorizado, magoado, constrangido, desconfortável e com sentimentos negativos em relação à sua imagem.

A verdade é que o body shaming pode ter consequências verdadeiramente graves para a saúde psicológica e resultar em sentimentos menos bons como baixa autoestima, depressão, isolamento social ou mesmo comportamentos alimentares disfuncionais.

A Ordem dos Psicólogos reforça que “ninguém merece ouvir comentários negativos sobre a sua aparência” e que “fazer body shaming não é aceitável” seja em público, privado, por mensagem ou nas redes sociais, mesmo que a intenção possa não ser magoar alguém.

O que fazer?

No caso de ser alvo de comentários depreciativos a OPP oferece algumas recomendações para lidar com a situação. Aceitar o seu corpo, apreciá-lo, questionar os ideais de beleza, falar sobre o que incomoda, investir no autocuidado e evitar criticar a sua aparência e a dos outros são algumas das ferramentas que pode usar.

Por fim, o documento recorda que “somos todos diferentes e todos temos direito a ser respeitados. O corpo é só mais uma das diferenças que nos distingue uns dos outros”. E mais importante que tudo, é essencial cuidar da sua autoestima. Ela começa nos nossos pensamentos e sentimentos e não no espelho. É muito importante valorizar-se como pessoa e não apenas pelo seu corpo.

Pode consultar o fact sheet AQUI

 


MORADA:

Rua Hermínia Silva nº 8 LJ A, Jardim da Amoreira
2620-535 Ramada

geral@raiox.pt