Posição da Sociedade Portuguesa de Pneumologia sobre tabaco e COVID-19

Perante as notícias recentemente divulgadas que apontam um efeito protetor da nicotina contra a COVID-19 a Sociedade Portuguesa de Pneumologia, através da sua Comissão de Trabalho de Tabagismo, emite este comunicado reforçando a sua preocupação com o impacto do novo coronavírus SARS-CoV-2 sobre os 2 milhões de portugueses consumidores de tabaco.

O tabagismo está associado a várias patologias crónicas, nomeadamente, doença respiratória, cardiovascular, diabetes e cancro, entre outras. Doentes com estas patologias têm maior risco de doença grave por COVID-19 segundo a Organização Mundial de Saúde1 e a Direção Geral de Saúde2. Além disso, o tabagismo tem um efeito nocivo para o sistema imunitário, tornando os fumadores mais vulneráveis às infeções3, incluindo possivelmente o novo coronavírus4.

Outra questão preocupante é o contacto mão-boca realizado frequentemente e repetidamente pelos fumadores, que constitui uma forma de infeção reconhecida1. Adicionalmente, também a partilha de tabaco e seus produtos está associado a risco de contágio1.

Apesar dos estudos serem escassos até à data, já há evidência científica que mostra que os fumadores têm maior risco de progressão para doença grave4,5, maior risco de internamento em Unidade de Cuidados Intensivos com necessidade de ventilação mecânica e maior risco de morte, em comparação com os não fumadores5,6.

Perante todos estes dados, a Sociedade Portuguesa de Pneumologia está totalmente alinhada com a Organização Mundial de Saúde que alerta para o perigo da controvérsia causada pela indústria tabaqueira com a divulgação de informação imprecisa e não fundamentada sobre o efeito protetor da nicotina, e reafirma que os fumadores podem sofrer condições mais graves da doença COVID-19. A nicotina é uma substância altamente aditiva que causa dependência nos seus utilizadores não existindo qualquer evidência sobre o seu efeito protetor.

De notar que os estudos em causa aguardam ainda revisão científica e que há evidência clara de ligação à indústria tabaqueira, no passado, por um dos autores do estudo que coloca a hipótese do efeito protetor da nicotina, Jean-Pierre Changeux. O artigo de Jean-Pierre Changeux que coloca esta hipótese do efeito protetor da nicotina7, é baseado num outro estudo8, realizado com 343 doentes, e do qual destacamos algumas limitações que comprometem as conclusões retiradas: o facto da taxa de prevalência de tabagismo nesta amostra hospitalar ser menor que a da população em geral não significa que tem um efeito protetor, na medida em que apenas grandes estudos de coorte bem fundamentados são apropriados para responder a questões sobre associação de fatores de risco a determinada doença ao longo do tempo, o que não acontece neste estudo. Da mesma forma, os dados dos doentes colhidos são imprecisos, por exemplo, no grupo dos ex-fumadores não é discriminado o tempo de abstinência (o que poderá incluir doentes que fumaram o último cigarro pouco tempo antes da avaliação). Além disto, a prevalência de ex-fumadores parece ser elevada, não são mostrados dados ajustados ao sexo e idade e não é fornecida verificação bioquímica da abstinência tabágica. Isso mesmo tem sido referido pela comunidade científica9, aliás, estas mesmas limitações são afirmadas pelos autores do estudo original.  Por outro lado, deve ser tido em conta que ser fumador e efeito protetor da nicotina são conceitos diferentes, que não devem ser confundidos.

Reforçamos a posição defendida pelo colega Filipe Froes que considera que “nesta altura a necessidade de divulgar conhecimento científico faz com a revisão e o rigor sejam mais frágeis existindo estudos que não seguem metodologias corretas e que tiram conclusões precipitadas. Existe demasiada especulação para os curtos meses que a doença tem e acaba por se valorizar o que se quer ouvir para se fazer o que se quer fazer”.

Concluindo, a nossa recomendação é a cessação tabágica imediata, sendo que esta recomendação abrange igualmente os utilizadores de cigarro eletrónico e tabaco aquecido.  Siga os conselhos da Direção Geral de Saúde.

Sobre este tema do impacto do tabagismo na gravidade e mortalidade por COVID-19, a Sociedade Portuguesa de Pneumologia elaborou um documento onde pode ser consultada a revisão teórica da bibliografia que existe até à data e perante a qual emite as suas recomendações.

Bibliografia:
1 – World Health Organization, www.emro.who.int/tfi/know-the-truth/tobacco-and-waterpipe-users-are-at-increased-risk-of-covid-19-infection.html (consulta a 7/04/2020);
2 – Direção-Geral da Saúde, www.covid19.min-saude.pt/perguntas-frequentes/ (consulta a 7/04/2020);
3 – Zhou Z, Chen P, Peng H. Are healthy smokers really healthy? Tob Induc Dis. 2016;14(November). doi:10.1186/s12971-016-0101-z;
4 – Brake, S. et al, Smoking Upregulates Angiotensin-Converting Enzyme-2 Receptor: A Potential Adhesion Site for Novel Coronavirus SARS-CoV-2 (Covid-19), J. Clin. Med. 2020, 9, 841. doi:  10.3390/jcm9030841;
5 – Vardavas, C., Nikitara, K., COVID-19 and smoking: A systematic review of the evidence, Tob. Induc. Dis. 2020;18(March):20. doi: 10.18332/tid/119324;
6 – Guan WJ, Ni ZY, Hu Y, et al. Clinical characteristics of coronavirus disease 2019 in China. N Engl J Med. 2020. oi:10.1056/NEJMoa2002032.
7- Jean-pierre CHANGEUX, Zahir Amoura, Felix Rey, Makoto Miyara. (2020). A nicotinic hypothesis for Covid-19 with preventive and therapeutic implications. Qeios. doi:10.32388/FXGQSB.2.
8 – Makoto Miyara, Florence Tubach, Valérie POURCHER, Capucine Morelot-Panzini, Julie Pernet, Julien Haroche. (2020). Low incidence of daily active tobacco smoking in patients with symptomatic COVID-19. Qeios. doi:10.32388/WPP19W.3.
9 – I. Berlin, AL Le Faou, D. Thomas. Review of: Low incidence of daily active tobacco smoking in patients with symptomatic COVID-19, on behalf of the Société Francophone de Tabacologie

MORADA:

Rua Hermínia Silva nº 8 LJ A, Jardim da Amoreira
2620-535 Ramada

geral@raiox.pt