“A tele-saúde é na verdade uma ferramenta que consegue uma maior proximidade entre o doente e os profissionais de saúde”

Amanhã, 28 de setembro, entre as 11h30 e as 12h30, irá realizar-se o simpósio Telehealth for chronic diseases: Integrated patient-centric solutions, evento integrado no EAHM Congress, que está a decorrer, no Centro de Congressos do Estoril, onde várias personalidades de renome na área vão abordar os benefícios da tele-saúde e partilhar exemplos de sucessos e boas práticas nacionais e internacionais.

O recurso crescente à tele-saúde como princípio de promoção do acesso à saúde foi definido como estratégico no âmbito da Estratégia Nacional para o Ecossistema de Informação de Saúde 2020.  A tele-saúde é reconhecida como um exemplo de inovação disruptiva que tem um impacto positivo na forma como os profissionais de saúde e o próprio sistema de saúde interage com os doentes, sendo inclusive considerada a segunda tecnologia com maior potencial de inovação disruptiva a seguir à inteligência artificial. Vários estudos apontam que a tele-saúde tem um impacto benéfico nas listas de espera, na necessidade de hospitalizações, na qualidade de vida do doente e até no seu risco de mortalidade. É considerada uma ferramenta-chave para providenciar cobertura de saúde universal e para uma melhor integração de cuidados, em especial em condições de doenças crónicas, que afetam grande parte da população envelhecida.

No simpósio “Telehealth for chronic diseases: Integrated patient-centric solutions” será apresentado o papel da tele-saúde no Sistema Nacional de Saúde, os benefícios deste recurso nos casos de insuficiência cardíaca, as melhores práticas e ainda o crescimento da tele-saúde na Europa, bem como os ganhos financeiros conseguidos pela implementação da mesma, este último pela voz e experiência de Frederic Lievens, vice-diretor executivo  da Sociedade Internacional para Telemedicina e eHealth (ISfTeH).

Teresa Magalhães, presidente da Comissão Executiva do Hospital da Cruz Vermelha Portugal e investigadora nas áreas de sistemas de informação na Saúde, defende que “a tele-saúde, apesar de ter um conceito centrado na monitorização remota, é na verdade uma ferramenta que consegue uma maior proximidade entre o doente e os profissionais de saúde, facilitando o acesso e conseguindo cuidados mais centrados no doente” e alerta ainda que ” “a tele-saúde pode ser o braço direito do Sistema Nacional de Saúde, mas é preciso combater a falta de literacia da população, através do envolvimento das equipas de profissionais no ensino aos doentes da sua condição de doença e no que podem beneficiar com este suporte tecnológico”. Neste simpósio, a investigadora vai partilhar a experiência portuguesa na área da tele-saúde e revelar como implementou o primeiro programa integrado de tele-monitorização da insuficiência cardíaca no Hospital de Santa Maria.

No simpósio Telehealth for chronic diseases: Integrated patient-centric solutions, promovido pela Linde Healthcare, João Agostinho, do Hospital de Santa Maria, também falará sobre o programa integrado de tele-saúde implementado no Hospital de Santa Maria, enquanto João Pereira, gestor de produto, abordará as melhores práticas e experiências operacionais na tele-saúde já implementadas em Portugal.

Consulte o programa completo pode ser consultado AQUI..


MORADA:

Rua Hermínia Silva nº 8 LJ A, Jardim da Amoreira
2620-535 Ramada

geral@raiox.pt