Enurese Noturna: uma condição que afeta o sono das crianças

O Raio-X partilha um artigo de opinião, da autoria de Paula Nunes, médica Pediatra, Coordenadora da Consulta de Nefrologia Pediátrica do Hospital S. Francisco Xavier e assistente convidada da NOVA Medical School, que aborda a enurese noturna, uma condição que afeta o sono das crianças. 

A Enurese é uma disfunção que envolve a perda involuntária de urina durante o sono, a partir dos 5 anos, visto que até lá pode considerar-se que a criança pode não ter ainda continência do esfíncter urinário. Ao contrário do que se julga, é muito frequente, estimando-se que 1 em cada 5 criança faça chichi na cama, e que o problema pode persistir até à fase da adolescência ou mesmo idade adulta.

Podem existir diversas causas para a Enurese, não devendo esta disfunção ser considerada um problema psicológico. Pode derivar da incapacidade de acordar com a bexiga cheia, da bexiga se contrair demasiado durante a noite e não conseguir armazenar a urina ou de os rins produzirem uma quantidade excessiva de urina para a capacidade que a bexiga tem de armazenar.

A primeira fase do tratamento consiste em procurar ajuda de um profissional de saúde para excluir causas físicas da enurese. Castigar ou culpar a criança por ter molhado a cama não é positivo nem ajuda a tratar a enurese noturna, visto que as crianças não fazem de propósito. Não devem, também, envergonhar a criança em frente a outros familiares ou amigos. Os pais devem, sim, recompensá-la pelos sucessos que vai alcançando.

As famílias devem procurar ajuda nos seguintes casos:

  • A criança não fazia chichi na cama e subitamente começou a fazer;
  • O chichi na cama afeta a criança e a sua dinâmica familiar;

É fundamental fornecer as orientações necessárias para ajudar a criança a ultrapassar a situação e não transformar estes episódios numa experiência traumatizante:

  • Explicar à criança que há muitas crianças da idade dele que também passam pelo mesmo problema e que conseguem ultrapassá-lo.
  • Limitar a ingestão de líquidos a partir do final da tarde.
  • Estimular a criança a ir à casa de banho 6-8 vezes/dia (quando acorda, a meio da manhã, ao almoço, à tarde, ao jantar e antes de ir para a cama). Para ajudar a resolver o problema o tratamento da obstipação é fundamental e não deve desvalorizar este sintoma.
  • Iniciar o tratamento numa fase não stressante para a criança (exemplo nascimento de um irmão, mudança de escola).
  • Deitar a criança sempre à mesma hora e estabelecer uma rotina que inclua a ida à casa de banho antes de se deitar.
  • Criar um sistema de recompensas com pequenos prémios simbólicos por cada noite em que a criança não molhar a cama, dar reforços positivos.
  • A criança não deve restringir as suas atividades sociais por este motivo.
  • A desmopressina é uma medicação que pode ser prescrita pelo médico e substitui uma hormona que é produzida no organismo e que reduz a produção excessiva de urina produzida durante a noite pelos rins.
  • Existem, no mercado, alarmes concebidos para ajudar no processo de aquisição de controlo dos esfíncteres que têm demonstrado ser eficazes. Os alarmes funcionam acordando a criança quando a bexiga está cheia.
  • O médico é que deve aconselhar a situação mais indicada para a criança.

MORADA:

Rua Hermínia Silva nº 8 LJ A, Jardim da Amoreira
2620-535 Ramada

geral@raiox.pt