Sociedade Portuguesa de Cardiologia desafia os portugueses a aderir à “Boa Onda” cardiovascular

No âmbito do Dia Mundial do Coração, que se assinala a 29 de setembro, a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) reforça, uma vez mais, a mensagem de alerta à população para a existência de patologias cardiovasculares, bem como a importância do seu reconhecimento. Este ano, sob o mote “Boa Onda Cardiovascular”, a SPC lança um desafio à população e elege Peniche para ser palco das comemorações desta efeméride, transmitidas nas redes sociais.

A nível mundial, calcula-se que a doença cardiovascular seja responsável por cerca de 20 milhões de mortes todos os anos. Só a doença cardíaca isquémica provocou 8,92 milhões de mortos em 2015, o que faz dela líder das causas de morte no mundo.

Em Portugal, segundo um estudo recente (custo e carga da aterosclerose), onde foram analisados dados de mais de 320.000 doentes, mais de 15123 doentes faleceram em 2016 por doença cardiovascular (7592 por AVC e 6887 por enfarte).

O universo de doentes afetados pela aterosclerose atinge os 740.000 adultos. A doença representa 50 % das mortes por doenças do aparelho circulatório e é uma causa importante de anos de vida perdidos. “Contas feitas, são quase 261 mil anos de vida perdidos, ou seja, o equivalente a 10 dias por ano por adulto. Além disso, os custos associados à doença são tremendos com impacto no produto interno bruto (1% do PIB), representando mais de 10% das despesas de saúde em Portugal”, alerta o Presidente da SPC, Victor Gil.

Victor Gil reforça a importância de adotar hábitos de vida saudáveis – para ganhar anos de vida, o que ficou provado num estudo publicado em 2018 onde foram analisados dados de mais de 120.000 registos da população dos EUA, em que a adesão a cinco fatores relacionados com um estilo de vida associado a baixo risco, prolonga a esperança média de vida aos 50 anos em 14  e 12,2 anos adicionais respetivamente para mulheres e homens. “Estes hábitos fundamentais a que nos referimos passam por nunca fumar, manter um peso e dieta saudáveis, consumo moderado de álcool e praticar atividade física de forma regular”, acrescenta.

“Em todas as fases, em todas as idades, com ou sem fatores de risco, com ou sem doença cardiovascular ativa ou prévia, um estilo de vida saudável é a pedra fundadora de qualquer atitude preventiva e de qualquer tratamento, com eficácia demonstrada em todas as fases”, reforça Victor Gil, presidente da SPC.

Em 2020, a Sociedade Portuguesa de Cardiologia decidiu ir mais longe e desafia toda a população a adotar estilos e hábitos de vida saudáveis.

Este ano, o tema do Dia Mundial do Coração, será a “Boa Onda” cardiovascular com celebrações que vão decorrer em Peniche, conhecida como a “capital da onda”, contando com o apoio da Câmara Municipal de Peniche, que de imediato aceitou associar-se a esta iniciativa e permitiu montar um programa que poderá ser acompanhado através do Facebook da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e da Câmara Municipal de Peniche.

7 Chaves para a Saúde Cardiovascular Ideal

O conceito de Saúde Cardiovascular Ideal, implica o cumprimento de sete métricas:

  1. Peso com IMC (índice de massa corporal) < 25 Kg/m2
  2. Nunca fumar ou ter parado de fumar há mais de 12 meses
  3. Atividade física intensa ≥ 75minutos por semana ou atividade moderada ≥ 150 minutos por semana
  4. Dieta saudável com pouco sal, açúcar e álcool, rica em vegetais e fibra, com peixe pelo menos duas vezes por semana
  5. Colesterol total < 200 mg/dl
  6. Pressão arterial < 120/80
  7. Glicemia em jejum < 100 mg/dl

 


MORADA:

Rua Hermínia Silva nº 8 LJ A, Jardim da Amoreira
2620-535 Ramada

geral@raiox.pt